Transformação Digital avança com adoção de métodos ágeis nas indústrias latino-americanas

Fonte: Infor Channel Publicado em

Esta é a conclusão de estudo solicitado pela everis – junto a seus clientes, que são empresas com referências na região, sobre a adoção e maturidade das metodologias ágeis, no qual se constatou que 85% delas avançaram na adoção de novas tecnologias e na melhoria das habilidades digitais de seus colaboradores

A IDC, empresa de inteligência de mercado global, especializada nos setores de TI, Telecom e Comunicações, realizou a pedido da everis – junto aos seus clientes -, o estudo “Avanços na maturidade dos métodos ágeis na América Latina”, que ajuda a avaliar a evolução da transformação digital na região. “Nós realizamos este estudo para a everis há dois anos para identificar em que estágio se encontram as empresas latino-americanas em relação à adoção das metodologias ágeis, desafios para maior adesão e principais benefícios obtidos pelas usuárias”, afirma Waldemar Schuster, Research and Consulting Manager da IDC.

O estudo apontou, em 2018, que a transformação digital já se encontra em etapas de maturidade repetitivas (67%) e gerenciadas (18%), tendo como prioridades melhorar as habilidades digitais para ampliar a automatização e a adoção de Internet das Coisas e Inteligência Artificial, entre outras tecnologias. As companhias que estão na etapa de maturidade repetitiva têm os objetivos de transformação digital alinhados a uma estratégia de curto prazo, com iniciativas que contemplam produtos e experiências digitais. Aquelas na etapa gerenciada são mais dinâmicas no uso de novas tecnologias e modelos de negócios para influenciar mercados e criar novos negócios.

“Nosso estudo mostrou uma evolução positiva para os negócios da região ao verificar que a maioria das empresas (85%) se encontram em etapas intermediárias de implementação destes métodos, que são fundamentais para sua transformação e para garantir melhores resultados estratégicos e operacionais, bem como mais inovação e maior competitividade”, explica Nelson Wilson, Head de Negócios da Unidade de Soluções e Serviços de TI da everis.

Porém, 10% das companhias latino-americanas ainda estão no modelo ocasional, ou seja, sabem da necessidade de desenvolver estratégias de negócios aprimoradas digitalmente para seus clientes, mas a execução é feita de forma isolada, e 5% são Ad hoc, com iniciativas desconectadas da estratégia empresarial e das experiências dos clientes.

“Infelizmente, nenhuma companhia latina está de fato madura, sendo efetivamente disruptiva, com tecnologias e modelos de negócios digitais, capazes de propiciar um ecossistema de inovação constante e de conquista de novos mercados. Mas acredito que está realidade mudará em poucos anos e a everis fará o possível para auxiliar nesta evolução”, detalha Wilson. A everis tem vasta experiência no âmbito de agilidade integrada por pessoas de diferentes nacionalidades, colaborando na formação de equipes, treinamentos, execução de metodologias ágeis e transformações organizacionais. Com esta finalidade, criou o Centro de Excelência Ágil no Brasil em 2016, que atende às demandas de seus clientes estratégicos, tendo como principal foco companhias dos setores de telecomunicações, bancos, indústria, energia, saúde e governo.

O executivo da IDC ressalta que outro aspecto positivo do estudo foi que 38% das empresas implementaram projetos ágeis e uma cultura DevOps (Desenvolvimento & Operações) e destas 58% começaram a ver reduzidos seus tempos de entrega do código de produção dos softwares para de uma a quatro semanas e de recuperação para de uma a seis horas. Ou seja, com os métodos ágeis aprimoraram seus processos e estão conseguindo lançar produtos mais rápido ao mercado, devido ao envolvimento de equipes cada vez mais multidisciplinares e focadas.

“Elas também obtiveram menores índices de falhas, o que está em sintonia com as ações implementadas para medir o sucesso dos projetos em desenvolvimento, com base na capacidade de resposta aos clientes internos e externos, assim como com um acompanhamento em prazos mais curtos, o que é fundamental para a transformação empresarial”, completa Schuster da IDC. De acordo com o estudo, outro benefício adicional constatado foi uma redução de 10% a 60% dos custos em 42,5% das empresas.

Quando se fala em impactos esperados dos projetos ágeis nos negócios, o estudo identificou que de 80% a 85% das empresas consideram essencial a redução do tempo de apresentação de novos produtos e serviços ao mercado, o aprimoramento da experiência do consumidor e a melhora da resposta a requerimentos dos negócios, o que estudo mostrou vem sendo obtido pelas adeptas dos métodos. Os maiores desafios para implementação, por sua vez, são a resistência persistente das pessoas às mudanças e as equipes reduzidas, que para complicar tem pouca experiência na adoção destas metodologias”, declara Schuster do consultor do IDC.

“Por esta razão, neste momento, é imprescindível que as empresas construam um ecossistema multidisciplinar, integrando parceiros, fornecedores e clientes, em um relacionamento de confiança e sinérgico, a fim de atingir o nível de maturidade almejado de disrupcão. Tudo isto tendo como premissas a valorização dos negócios e das pessoas”, esclarece Wilson.

A amostra do estudo incluiu líderes de empresas com grande impacto econômico na América Latina, que contam com mais de 2.000 empregados, dos mais variados setores, como financeiro, telecomunicações, seguros, distribuição, atacado, manufatura discreta e de processos, governo e saúde, entre outros. Os países contemplados foram Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, México e Peru.

Leia a matéria na integra

Talvez você gostaria de ler também

\

‘Energia livre’ já representa 30% da carga do setor elétrico

Consumidores que podem escolher seu fornecedor de energia representam hoje 30% de toda a carga do setor elétrico, de acordo com levantamento exclusivo da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE). O preço mais baixo tem sido o maior incentivo à migração de clientes para o ambiente livre. Comercializadores apontam que é possível economizar entre[…]

Saiba mais

“Empresas de saúde devem adotar tecnologia para melhorar experiência do paciente”

As empresas de saúde precisam trazer mais valor para o paciente, enriquecendo sua experiência, do diagnóstico até a cura. Para isso, o atendimento deve ser personalizado, conectando o paciente com os seus dados, por meio de pílulas inteligentes, ou usando sensores para diagnosticar ou prevenir doenças, por exemplo.” A declaração foi dada por Roger Van[…]

Saiba mais

Big data e o agronegócio: como o Brasil vai se posicionar frente à inovação?

O Brasil é o maior produtor de alimentos da região tropical no mundo. Somos referência e líderes em carne bovina e de frango, soja, suco de laranja, café… Entretanto, a sociedade passou por mudanças socioeconômicas recentes e não demanda apenas produção. Exige garantia da qualidade dos alimentos, como sanitária, ambiental e social. Não basta apenas[…]

Saiba mais